logologo

Fale Conosco

InícioBlogHeat Pumps: A Solution to Fuel Poverty in the UK

Bombas de calor: uma solução para alimentar a pobreza no Reino Unido

2024-01-21
Uma investigação recente conduzida por cientistas no Reino Unido lançou luz sobre o potencial das bombas de calor para aliviar a pobreza energética em Inglaterra e na Escócia. O estudo teve em consideração o impacto da crise energética, bem como a recente pandemia e acontecimentos geopolíticos, como a guerra Rússia-Ucrânia.

O que é pobreza energética? É uma situação em que as famílias lutam para adquirir a energia necessária para aquecer confortavelmente as suas casas. As consequências da pobreza energética são de grande alcance, incluindo problemas de saúde física e mental, aumento das exigências sobre os sistemas nacionais de saúde e implicações ambientais devido à ineficiência energética das casas pobres em combustível. De acordo com os investigadores, considera-se que um agregado familiar está em situação de pobreza energética se o custo do combustível necessário exceder 10% do rendimento líquido ajustado do agregado familiar.

 

Para realizar a sua análise, os investigadores examinaram inquéritos habitacionais na Escócia e em Inglaterra, tendo em conta factores como o rendimento líquido, o consumo de energia e o tipo de combustível. Eles descobriram que em tempos pré-crise, a taxa de pobreza energética na Escócia era de 35,55%, enquanto na Inglaterra era de 17,38%. No entanto, durante os períodos de crise, estas percentagens dispararam para 67,26% na Escócia e 47,68% em Inglaterra.

 

Curiosamente, os investigadores identificaram uma forte correlação entre a proporção de gases residuais e a estimativa da pobreza energética pré-crise, com um coeficiente de correlação de Pearson de 0,81.

 

Então, como podem as bombas de calor ajudar a combater a pobreza energética? De acordo com os cientistas, as bombas de calor têm custos de funcionamento mais baixos em comparação com as fontes de gases de escape, o que poderia potencialmente elevar as famílias acima do limiar de pobreza energética. No entanto, os elevados custos iniciais de instalação podem ser uma barreira à adoção. Durante o período da investigação, o Reino Unido implementou uma política que forneceu 5.000 libras esterlinas (6.340 dólares) em apoio à redução destes custos. Os investigadores descobriram que esse apoio político poderia reduzir a pobreza energética em pelo menos 90,2% em períodos normais e até 97,6% durante crises. Na ausência de apoio governamental, a redução da pobreza energética é significativamente menor, de 51,2% em tempos normais e de 65,9% durante crises.

 

No entanto, deve-se também considerar o custo das atualizações da rede para acomodar o aumento da procura de bombas de calor. Os investigadores estimam que aproximadamente 457 das 3.891 subestações primárias em Inglaterra e na Escócia necessitariam de actualizações para suportar a procura adicional. O custo total destas atualizações está projetado em 715,4 milhões de libras esterlinas, distribuídos ao longo de uma vida útil de 45 anos.

 

Concluindo, as bombas de calor têm o potencial de tirar as famílias da pobreza energética no Reino Unido. Embora ofereçam custos operacionais mais baixos em comparação com fontes de gás residual, os altos custos iniciais de instalação e as atualizações de rede necessárias representam desafios. No entanto, com o apoio político adequado, a redução da pobreza energética pode ser significativa, beneficiando as famílias, o ambiente e os sistemas nacionais de saúde.

 

De acordo com um estudo recente realizado por acadêmicos da Universidade de Edimburgo e da Universidade de Oxford, Aberdeenshire tem o custo médio de atualização de rede mais alto do Reino Unido. Isto pode ser atribuído à sua proporção relativamente elevada de casas sem gás, que representam 41,2% de todos os agregados familiares na área.

 

Curiosamente, o estudo descobriu que as ilhas Orkney e Shetland, que têm quase 100% de casas sem gás, registam custos de actualização relativamente baixos. Isto porque mais de metade dos agregados familiares destas regiões já utilizam aquecimento eléctrico, que é menos oneroso na rede em comparação com outras formas de aquecimento.

 

Os investigadores descobriram que a substituição dos aquecedores elétricos por bombas de calor poderia aliviar ainda mais a tensão na rede, graças à elevada eficiência das bombas de calor. Este resultado contraintuitivo sugere que a adopção de bombas de calor em regiões com uma elevada proporção de habitações sem gás poderia ser uma solução económica para a modernização da rede.

 

Os investigadores aprofundaram a sua análise, realizando uma análise custo-benefício, concentrando-se em regiões como as Ilhas Shetland e Orkney. Eles descobriram que estas áreas não só apresentavam custos baixos e benefícios relativamente elevados em períodos pré-crise, mas também experimentaram tendências semelhantes durante tempos de crise.

 

Por outro lado, regiões como Aberdeenshire e o Leste de Inglaterra registaram menos benefícios e custos associados mais elevados. Estas conclusões podem orientar os decisores políticos na conceção e priorização de mecanismos de apoio regional e na implantação de bombas de calor.

 

O estudo, intitulado "Avaliando os benefícios sociais e os custos de rede das bombas de calor como uma intervenção na crise energética", foi publicado recentemente na revista iScience. Os investigadores sublinham que os benefícios das bombas de calor perduram tanto em períodos normais como de crise.

 

Mesmo que a crise energética termine antes da adopção substancial das bombas de calor, os seus benefícios a longo prazo ainda poderão ser concretizados. Isto é particularmente significativo considerando a possibilidade de futuras crises energéticas. Portanto, os decisores políticos devem considerar a adoção de bombas de calor como uma solução viável não só para enfrentar os desafios imediatos, mas também para garantir um futuro energético sustentável.

 

Compartilhar
Artigo anterior
Próximo artigo
Contacte-nos para a sua solução energética!

Nosso especialista entrará em contato com você se você tiver alguma dúvida!

Select...